Pages

Subscribe Twitter

quarta-feira, 27 de março de 2013

Cães x Jardim


Minha mãe sofre um bocado tentando conciliar seu belo jardim com a Lola - uma Fox Paulistinha que é um furacão. Por isso, em homenagem a elas, compartilho abaixo uma matéria do Portal Uol, onde especialistas dão dicas para cães e jardins conviverem em harmonia. =)

Especialistas dão dicas para cães e jardim conviverem em harmonia

É preciso ter paciência e disposição para ensinar as regras ao cão

Conciliar dois amores tão diferentes quanto os bichos de estimação e um belo jardim nem sempre é tarefa fácil. Mas os especialistas garantem: com uma boa dose de paciência para lidar com o animal e um pouco de critério para escolher as plantas, ambos podem se desenvolver superbem juntos.

O primeiro passo é delimitar as áreas. Se houver espaço disponível, a melhor alternativa é reservar uma área exclusiva para o cão. "Muitos cães têm a necessidade de cavar, sobretudo os que vivem em regiões quentes, porque procuram lugares frescos para brincar", explica a adestradora da Cão Cidadão, Juliana Nishihashi. A área pode ser delimitada com cerca de ferro ou madeira e planejada para ser atraente para o animal. Assim, fica mais fácil mantê-lo afastado do restante do jardim. "Brinquedos como garrafas pet vazias ou cheias de ração, bolinhas, cordas e ossos também estimulam o cão a permanecer no seu cantinho, sem avançar sobre o restante do espaço", ensina Juliana Nishihashi.

Treino, treino e mais treino

Em muitos casos, não basta só colocar barreiras físicas para impedir o acesso do cão ao jardim, é preciso ensiná-lo a diferenciar o certo do errado. De acordo com a adestradora, é sempre melhor recompensar o animal quando ele adota um comportamento correto do que puni-lo quando erra. "O dono pode utilizar uma guia para restringir o acesso do cão ao jardim e recompensar com petiscos sempre que o cão ficar na área considerada permitida, obediente e brincando com algum brinquedo dele", sugere Juliana.

A guia deve ter o tamanho certo para permitir que o cão corra e brinque no gramado, mas sem chegar à área cultivada. "É como se o cão levasse uma bronca da coleira sempre que tenta acessar o jardim", diz o adestrador Eric Gustavo. Durante o treino, o ideal é evitar deixá-lo sozinho e solto na área verde, até ter certeza de que ele entendeu a lição. Em caso de bagunça, só dê bronca se o animal for pego no ato. "Puni-lo após o feito não resolve", ressalta.

Se o animal já fez um buraco num local impróprio, uma dica é preencher a cavidade com fezes do próprio cão e depois cobrir com terra. "Isto vai repeli-lo", explica o adestrador. Só não use essa tática quando houver um canteiro de hortaliças por perto, porque as fezes podem contaminar verduras e legumes. Outra orientação que costuma evitar problemas é prender o cachorro na hora da jardinagem. Isso porque, ao ver alguém cortar as folhas e a cavar terra, o animal pode se sentir estimulado a agir da mesma maneira.

No mais, é preciso ter paciência até que os cães se acostumem com as regras, o que varia de um cachorro para outro. "Depende da raça, da idade, do grau de atividade do animal, entre outros fatores", diz Juliana. De modo geral, quanto mais disposição houver dos donos para os treinos diários, mais rápido aparecerão os resultados.

Jardim amigo do melhor amigo

Na hora de montar o jardim também é importante pensar no bem-estar do cãozinho. Algumas espécies de plantas, apesar de bastante populares, são tóxicas e podem afetar a saúde do animal se ingeridas. Nesta lista estão a azaleia, o lírio, a coroa-de-cristo, o comigo-ninguém-pode, a costela-de-adão, o fícus, a samambaia, o antúrio, o copo-de-leite, a hortênsia e a espirradeira.

Também devem ser evitadas as plantas que, embora não ofereçam riscos, são atraentes demais para os cães. "Será difícil mantê-lo afastado de um miolo de bromélia, por exemplo, uma planta doce que os animais adoram comer", diz a paisagista Erly Hooper. Espécies rústicas e espinhentas, como agave, iuca e cacto são resistentes ao avanço dos pets e boas opções. Para alegrar o jardim sem prejudicar os bichos, escolha flores como rosa, verbena, lilás, boca-de-leão, petúnia, begônia, cosmos e amor-perfeito.

Por fim, além da escolha das plantas, é importante avaliar com critério os produtos que serão utilizados na manutenção do jardim. Agrotóxicos devem ser evitados ao máximo, principalmente nas plantas às quais os animais têm acesso. O mesmo vale para granulados contra lesmas ou formigas, facilmente ingeridos e extremante tóxicos. Nesses casos, inseticidas naturais são as melhores soluções. "De qualquer forma, sempre que for usar qualquer produto diferente, evite deixar o cão solto logo depois da aplicação e, se possível, consulte o veterinário para checar que tipo de reação adversa pode ocorrer em caso de contato acidental", aconselha Juliana.

terça-feira, 26 de março de 2013

Chocolate ao leite x meio amargo


Com certeza, todo mundo já ouviu falar muito dos benefícios que o chocolate amargo pode trazer à saúde. No entanto, nunca tinha lido uma matéria tão esclarecedora como esta publicada na Folha. Já, de cara, é bom destacar que os chocolates mais escuros são tão calóricos e gordurosos quanto os com leite. A diferença está mesmo nos polifenois - as substâncias responsáveis pela tão desejada ação antioxidante.

Mas vou parar de falar por aqui e deixar você descobrir por si mesmo através da matéria publicada no site da Folha nesta terça-feira (26). Grande abraço e até a próxima!

Teste compara benefícios de chocolates ao leite e meio amargo

O chocolate tem sido um dos alimentos funcionais preferidos pelas pesquisas. Poderes contra doenças cardíacas, envelhecimento precoce e até sobrepreso são atribuídos ao produto, principalmente na sua formulação amarga. A razão apontada são as substâncias antioxidantes presentes no cacau.

A Folha e a Unicamp decidiram medir a quantidade dessas substâncias, os polifenois, em barras das três marcas mais vendidas do mercado. Foram comparadas as composições dos tipos "ao leite" e "meio amargo" (porcentagem de cacau entre 30% e 50%) dessas marcas.

Preferidos dos nutricionistas e valorizados em estudos, os chocolates mais escuros são tão calóricos e gordurosos quanto os com leite. A diferença está mesmo nos polifenois: sua quantidade dobra nas versões meio amargas.

Das marcas testadas, o meio amargo da Nestlé foi o que apresentou o maior teor de antioxidantes por 100 g do produto (2,4 g de polifenois). A menor quantidade da substância foi encontrada no Lacta ao leite, 0,98 g.

O produto meio amargo da Lacta, que ficou em terceiro lugar no quesito antioxidante, é, entretanto, o menos calórico de todos. Mesmo assim, não é pouca coisa: são 504 calorias por 100 g.
O fato de o chocolate ter o gosto mais amargo sugere mais antioxidantes. Mas isso não é determinado diretamente pelo teor de cacau.

"Na porcentagem de cacau entram tanto a massa quanto a manteiga de cacau. Esta última não tem nada de polifenois", diz a engenheira de alimentos Priscilla Efraim, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, onde foi feito o teste.

O amargor também não significa que o produto tem menos açúcar: em todos os chocolates testados, o açúcar é o ingrediente em maior proporção na fórmula--maior do que a do cacau, inclusive.

"Nessa época já se come muito chocolate, os benefícios não podem ser desculpa para exageros", diz Lara Natacci, nutricionista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo.

PROPAGANDA

Para a endocrinologista Rosana Radominski, do Departamento de Obesidade da Sbem (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia), a indústria estimula a divulgação da ideia de que comer chocolate todo dia é bom para a saúde.

"Não há prova disso. O que podemos dizer é que a pessoa pode comer uma coisa gostosa que não vai fazer mal se for consumida em pequenas quantidades", diz a médica.
A maioria das pesquisas indicando benefícios do chocolate utilizou extratos com alta concentração de polifenois, segundo Efraim.

Para obter esses efeitos com as marcas testadas, por exemplo, a pessoa precisaria comer quase cem gramas do tipo meio amargo por dia, avalia a professora.

"Do ponto de vista do consumo de antioxidantes, o meio amargo é melhor. Mas não vale apostar no chocolate como um superalimento. Não é tudo isso. Mas é gostoso", diz o nutrólogo Daniel Magnoni, do HCor (Hospital do Coração) de São Paulo.

O consumo "controlado" das pesquisas dificilmente é replicado na vida real.

Uma sugestão da nutricionista Lara Natacci para quem come o doce habitualmente é trocar a versão ao leite pela meio amarga.

"O teste mostrou uma diferença significativa na quantidade de antioxidantes, mesmo em produtos populares e facilmente encontrados no mercado", diz.

Os resultados sobre a concentração de polifenois são coerentes com o que se espera de um chocolate mais amargo, na opinião de Carlos Thadeu de Oliveira, gerente do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

"O que não dá para entender é por que poucos fabricantes colocam a porcentagem de cacau na embalagem dos produtos vendidos no Brasil", diz ele.

Dos produtos testados, só o amargo da Lacta tem essa informação. Segundo Oliveira, o dado é comum nos chocolates importados e em "edições limitadas" de produtos gourmet. "Quanto mais barato o produto, menor o número de informações oferecido ao consumidor", diz.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Quiche de Cebola

Olá pessoal!

No post de hoje, irei compartilhar a DELICIOSA especialidade da sogra da minha maninha: Quiche de Cebola! Hummm... só de falar já me dá água na boca. Isso porque eu AMO quiche e AMO cebola. Os dois juntos então, nem se fala!

Mas vamos lá para a receita:

Ingredientes

Massa: 
  • 1 xícara e meia de trigo;
  • 100 gramas de margarina ou 5 colheres de sopa de margarina;
  • 1 pitada de sal.
Recheio:
  • 3 cebolas grandes;
  • 3 ovos batidos;
  • 1 copo de requeijão;
  • 3 colheres de queijo parmesão ralado;
  • 1/2 copo de iogurte;
  • cheiro verde;
  • sal à gosto.
Modo de preparo

Massa: Misture o trigo, o sal e a margarina, até obter uma massa bem homogênea. Porém, o pulo do gato é acrescentar um pouquinho de iogurte ou água com gás para deixar mais crocante. Deixe descansar.

Recheio: Fatie a cebola e refogue sem deixar dourar. Deixe ESFRIAR. Em um refratário, misture os demais ingredientes até virar um creme homogêneo e reserve.

Montagem: Finalmente, vamos à montagem! Em uma forma NÃO untada, estique a massa. Pode ser com a mão mesmo, não precisa de rolo. Se a cebola já estiver FRIA, espalhe a cebola. Em cima da cebola, espalhe o creme e finalize com o queijo parmesão. Asse por cerca de 30 minutos em fogo médio, ou até que fique levemente dourado. Agora, é só servir e aguentar os elogios! ;)

Gente... esta foi a receita original, já com as dúvidas sanadas pela própria dona dela.

Porém, agora vou contar pra vocês como foi a minha experiência no último final de semana, com apenas algumas anotações em mãos. Confesso que não entendi muito bem meus rabiscos :S Além disso, faltaram alguns ingredientes e tive que improvisar. Por isso, vou compartilhar com vocês meus erros e acertos para, quem sabe, poder ajudá-los a acertar de primeira ;) Vamos lá...
  1. Não tinha uma xícara e meia de trigo. Assim, usei cerca de uma xícara e 1/4. 
  2. Como não sabia quanto representava 100 gramas de margarina, coloquei 2 colheres de sopa super cheias de margarina e fui acrescentando a água com gás aos poucos até dar o ponto. A massa ficou numa consistência ÓTIMA!
  3. No entanto, quando fui esticar a massa na minha forma redonda (com cerca de 26 cm de diâmetro com fundo removível), aquele quarto a menos de trigo fez falta e eu não consegui completar toda a bordinha da vertical. Mas, não chegou a prejudicar o resultado.
  4. Como o Daniel tinha comprado um potezinho de alho poró já fatiado, decidi misturar aquele alho poró com uma cebola e meia, ao invés de usar as três cebolas.
  5. Na hora de fazer o creme, achei que três ovos seria muito e coloquei apenas dois. Quando fui colocar o iogurte, descobri que também não tinha e o substituí por creme de leite. O iogurte parece não ter feito tanta falta, mas o ovo a menos deixou o creme mais baixinho. Da próxima vez, vou colocar os três ovos.
  6. Pra quem se desespera ao ver a expressão "sal à gosto", seguem as minhas medidas: na massa, uma pitadinha e, no creme, uma pitadona... hehehehehe... não sei se ajudou, mas é assim que eu coloco sal nas coisas. O queijo parmesão eu fui salpicando até cobrir todo o quiche.
  7. Ficou tudo uma delícia. Porém, o meu grande ERRO foi não ter esperado a cebola esfriar e isso deixou a massa meio embatumadinha embaixo. Nada de muito grave para os nossos convidados, mas uma TRAGÉDIA para a aprendiz de cozinheira aqui. Enfim, estas foram as minhas considerações... Espero que tenham gostado e que o quiche dê certo logo na primeira tentativa!
  8. Ah! Outra coisa legal foi que eu fiz o quiche na sexta a tarde e servi no almoço de sábado. Deixei na geladeira e apenas aqueci no forno na hora do almoço. 
  9. Acompanharam o banquete, um arroz branco, salada mista e a DELICIOSA carne de panela da minha sogrinha ;)
Grande Abraço!