Pages

Subscribe Twitter

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

6 maneiras de expressar gratidão


Num mundo onde a correria é tão grande, às vezes nos esquecemos de agradecer a pessoa que está sempre ao nosso lado.

Porém, expressar a gratidão em pequenas atitudes é uma prática que serve como um remédio imediato para tornar qualquer relação mais agradável. Segundo pesquisas, o ato de agradecer pode fazer uma relação de 20 anos parecer que começou na semana passada.

Então, tente estas seis maneiras simples de dizer "obrigada", ainda que indiretamente, listadas pelo site YourTango.

Atos aleatórios de bondade: leve para casa a comida favorita de seu parceiro em noites aleatórias depois do trabalho. Você também pode levar flores mesmo quando não há ocasião especial. Esses tipos de presentes custam pouco dinheiro, mas o toque de carinho em um momento inesperado faz o "agradecimento" ser muito melhor.

Bilhetes: deixe um pequeno bilhete em um lugar onde você sabe que ele vai ver, dizendo: "obrigado por tudo que você faz para tornar nossa vida melhor". Isto custa muito menos do que flores e leva apenas alguns segundos, mas a própria natureza do ato simples torna tudo ainda mais significativo.

Perguntas: a vida é tão corrida, mas é importante ter um tempo à noite para perguntar como foi o dia do seu parceiro. Isso mostra que você reconhece seu esforço e ajuda a manter a sua família e relacionamento saudáveis.

Obrigado e abraços: quando seu cônjuge faz algo como ajudar as crianças a fazerem a lição de casa depois de já ter trabalhado um dia inteiro, tente fazer com que ele se sinta imediatamente apreciado agradecendo verbalmente ou com um abraço.

Tarefas: você pode fazer uma das tarefas que o seu cônjuge sempre faz, para mostrar que percebe o trabalho que ele tem todos os dias. Ele vai perceber que não está escravizado ou passando despercebido por você.

Afeto físico: toque seu cônjuge. Um carinho pode mostrar que você está grata de tê-lo perto naquele momento. Às vezes esquecemos que tocar o outro, não sexualmente, mas de uma forma de gratidão, faz o afeto aumentar. Tente fazer com que isso seja compromisso para que você tome uma dessas ações a cada dia. Você poderá notar que estarão falando mais e interagindo de uma forma mais íntima.

domingo, 25 de novembro de 2012

Pra não se perder mais na leitura...

Quando vi na rede, não resisti... olha só que coisinha mais fofa esse marcador de página e de linha, que não vai te deixar se perder na leitura nunca mais =)

No site "Objeto de Desejo", indicava o link da Amazon para comprar (que ainda está na promoção!)... é só clicar aki ;)

Grande abraço!

terça-feira, 20 de novembro de 2012

10 perguntas antes de ter um Pet


Apesar de gostar muito de cachorrinhos e cachorrões, achá-los engraçados, divertidos e, extremamente, amáveis, não aprecio a ideia de tê-los convivendo dentro do apartamento. Não só por mim, mas também por eles. Acho uma judiação, um bichinho tão animado ter que ficar preso entre "4" paredes. Além disso, ultimamente, mal estou tendo tempo de molhar minhas plantinhas, imagina cuidar de um bichinho e dar toda a atenção que eles requerem.

Porém, como penso que toda a criança deveria ter a responsabilidade de cuidar de um animalzinho, fico pensando que, quando tiver um (a) filhinho (a), seria bom ter um bichinho. Se ainda estiver morando no apartamento, minha opção inicial seria um hamster, com suas gaiolas tecnológicas e cheias de passagens secretas, rodas e outros acessórios.

No entanto, lendo a reportagem que transcrevo abaixo, fiquei pensando... os hamsters vivem tão pouco... será que meus filhos terão maturidade para aceitar a sua morte? Por outro lado, pensei que talvez fosse bom que eles aprendessem sobre esta questão da vida...

Tentei pensar em outras opções de animaizinhos. Porém, dentro de um apartamento fica bem restrito. Apesar de achar os gatos lindinhos, não gosto que eles fiquem dentro de casa e também tenho medo da toxoplasmose. Não suporto encostar nas escamas dos peixes e isso sempre me deixa em apuros na hora de limpar o aquário... uma tartaruguinha daquelas americanas poderia ser uma boa ideia? Ao menos elas vivem bastante. No entanto, elas crescem e precisam de um espaço cada vez maior...

Enfim... são tantas perguntas... por isso achei bem interessante compartilhar esta matéria do Portal Terra com vocês:

Veja 10 perguntas para fazer antes de ter um animal de estimação

Ter um animal de estimação não é tão simples quanto parece. É preciso levar em conta tempo, disponibilidade, vontade e dinheiro na hora de escolher um pet. Por isso, o site Good House Keeping selecionou 10 perguntas que devem ser feitas antes de levar para casa um cachorro, gato ou ave. Confira a seguir:

1. Qual a média de vida do seu futuro pet?
A expectativa de vida varia de um animal para outro. Pequenos cães tendem a viver entre 14 e 19 anos, enquanto os maiores vivem entre 10 e 15, de acordo com Kristi Litrell, gerente de adoção do Best Friedn Animal Society. Já os gatos podem viver de 15 a 20 anos, papagaios de 50 a 60 e hamsters têm uma vida curta, que dura apenas alguns anos. Se você é mais velho, pode considerar a adoção de um animal de estimação adulto. Se tem filhos pequenos, deve levar em conta a idade e nível de maturidade da criança antes de comprar um animal menor e mais delicado.

2. Quanto tempo livre você tem?
Alguns animais exigem atenção e, dependendo do seu estilo de vida, podem atrapalhar a rotina. Peixes não necessitam de muito carinho, mas o aquário precisa de manutenção. Se você preferir um gato, saiba que eles não exigem tantos cuidados quanto os cães, que são mais sociáveis. Escolha o pet que se encaixe à sua rotina.

3. Qual o espaço da sua casa?
Sua casa deve ser levada em consideração. “Quanto menor o espaço, mais tempo você vai gastar para cuidar do seu pet”, explica Litrell. Se você mora em um apartamento, por exemplo, vai levar mais tempo para passear com seu cachorro e levá-lo à rua para “usar o banheiro” do que se você morasse em casa e tivesse um quintal.

4. Quanto dinheiro você pode gastar?
Alimentos, roupas e cuidados com a saúde podem pesar no bolso. De acordo com a Sociedade Americana de Prevenção a Crueldade Animal, um cachorro de grande porte gasta cerca de R$ 3.800 por ano, um de pequeno porte gasta R$ 2.700 no mesmo período, comparado com R$ 2.100 para coelhos, R$  2.070 para gatos e R$ 500 para pequenas aves. Isso, claro, são as despesas mínimas, mas podem surgir visitas de emergência ao veterinário e necessidade de comprar medicamentos, que aumentam a conta.

5. Quanto tempo você fica em casa?
Se você é caseiro e tem tempo livre, pode ter qualquer animal de estimação. No entanto, se passa muito tempo no escritório ou viajando, um cão pode não ser uma boa escolha, porque não deve ser deixado sozinho por longos períodos. Caninos, mesmo os mais velhos, pedem planejamento extra antes da adoção. Da mesma forma, criar um papagaio pode ser um desafio se você não for uma pessoa caseira, já que eles também exigem muita atenção.

6. Com que frequência você viaja?
Seus hábitos de viagem devem influenciar na escolha do seu pet, já que alguns animais são mais independentes que outros. Por exemplo, gatos podem ficar sozinhos por alguns dias e noites, desde que tenham comida, água e acesso à caixa de areia. Os cães, por outro lado, necessitam de atenção diária. Ainda assim, vale lembrar que é mais fácil viajar com cachorros do que com gatos.

7. Você gosta de fazer exercícios?
Cada animal tem sua rotina de exercícios. Se você for adotar um cachorro, precisa fazer caminhadas diárias principalmente enquanto ele for jovem. Se você não pode ou não quer uma vida mais ativa, opte por um gato, hamster ou peixe.

8. Para qual tipo de cuidados você está disponível?
Morar perto de uma clínica para animais não é tão importante se você tiver um cachorro ou gato, porque a maioria dos veterinários tem experiência com esses pets. Mas se você pensa em criar animais de estimação menos tradicionais, como papagaio ou cavalo, verifique se tem acesso a um veterinário que poderá cuidar dele em casos de emergência.

9. É permitido ter animais no seu prédio?
Alguns prédios proíbem a entrada de animais de estimação ou limitam para animais de pequeno porte.

10. Você é alérgico?
"Muitas pessoas não percebem que têm uma alergia a um animal até que trazê-lo para casa", diz Littrell. Além disso, muitos são entregues a abrigos por causa de alergias imprevistas. Por isso, antes de adotar, passe um tempo com um animal na casa de um amigo e fique atento se isso lhe causar alergia.