Pages

Subscribe Twitter

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Overdose de cafeína mata jovem

Sempre li e assisti matérias sobre a cafeína com uma curiosidade a mais sobre seus efeitos no organismo. Isso porque uma das pioneiras da igreja da qual faço parte, Ellen White (Adventista do Sétimo Dia), já alertava sobre os perigos desta substância no início do século XX, quando a ciência ainda engatinhava nesses assuntos.

Sei que a cafeína tem propriedades que podem ajudar o nosso organismo. Tanto que existem diversos medicamentos que se utilizam dela. Porém, o que Ellen White alertava há 105 anos era que a aparente força e energia proporcionadas pela cafeína, nada mais eram do que excitação nervosa e que, passado o efeito, a fraqueza e o abatimento seriam ainda piores do que antes da ingestão da cafeína.

Ela não possuía nenhum conhecimento científico sobre estas questões, porém acreditamos que ela era inspirada por Deus para alertar o mundo sobre diversos assuntos, inclusive alguns relacionados à saúde.

Há cerca de duas semanas, a necrópsia de um jovem britânico, morto em abril, revelou que o motivo de sua morte foi overdose de cafeína. O rapaz de apenas 23 anos de idade morreu após consumir pó de cafeína 'às colheradas' durante uma festa.

Michael Lee Bedford comprou o tal pó que o levaria a morte pela internet e, segundo a autópsia, quando morreu, tinha em seu organismo o equivalente a 70 latas de energético.

A reportagem do G1 lembra que pode-se consumir o estimulante tomando café, bebidas energéticas, refrigerantes ou mesmo comendo chocolate. Porém, segundo Eric Braverman, médico ouvido sobre o caso, uma dose letal de cafeína equivaleria a 10 mil miligramas, ou 100 xícaras de café – desde que consumidas em um curto período.

Em setembro, segundo o site da revista “Time”, um americano do estado do Kentucky acusado de assassinar a esposa alegou como defesa o fato de estar “intoxicado por cafeína”, que havia consumido excessivamente bebidas energéticas e pílulas para emagrecer. O exagero o teria deixado “mentalmente instável”, levando-o a confessar um crime que não havia cometido.

Sinceramente, nunca tinha ouvido falar de alguém que estivesse intoxicado por cafeína e, muito menos, morrido por overdose de cafeína. Fiquei bem impressionada com essa matéria. Principalmente, porque até hoje só tinha visto o termo overdose relacionado com o uso exagerado de drogas e, muitas vezes, não temos o hábito de considerarmos a cafeína como tal.

É fato que mesmo substâncias benéficas, em exagero, podem fazer mal. Porém, é importante prestarmos mais atenção naquelas que por si só já trazem algum prejuízo.

Segundo o Portal MedQuímica, a cafeína é a droga mais consumida no mundo e também causa dependência física e psicológica, uma vez que para estimular o cérebro utiliza os mesmos mecanismos das anfetaminas, cocaína e heroína. "Os efeitos da cafeína são mais leves, porém manipula os mesmos canais do cérebro, uma das razões que pode levar as pessoas ao vício", afirma o portal.

3 comentários:

Cida Kuntze disse...

Oi Ellen!
Nossa, eu sabia que cafeína era prejudicial, mas não a tal ponto.
Gostei do artigo.
Beijinhos.

Anônimo disse...

A materia até que seria interessante se não tivesse um apelo religioso visto que a mesma foi totalmente baseada em fatos ciêntificos.

Ellen Ramos Gonçalves disse...

Então "Anônimo"... isso só mostra que a ciência e a religião não precisam estar em lados opostos. Nesse caso, a ciência comprovou o que a religião já dizia.

Postar um comentário